Shourouk fala de seu início e da coleção com Swarovski em terras brasileiras

Shourouk e algumas das peças da parte indiana da coleção "Secret Treasures" assinadas por ela - Foto: João Sal

Shourouk e algumas das peças da parte indiana da coleção “Secret Treasures” expostas no evento na casa da empresária Alessandra Campiglia no Morumbi – Foto: João Sal

A designer francesa de jóias e acessórios Shourouk Rhaiem veio ao Brasil à convite da Swarovski promover a linha “Secret Treasures”, em que ela reinterpreta a parada da Índia do itinerário da viagem da Rota da Seda. A Rota da Seda, para quem não se lembra, passa pelas paisagens da China, montanhas do Himalaia, Índia e termina em Veneza.

Segundo a diretora criativa da Swarovski, o convite feito a Shourouk para a criação das peças da Índia foi pensado porque sua produção se encaixa perfeitamente no espírito da coleção. “Escolhi Shourouk porque seu estilo é único, inovador, feminino, rico, colorido e opulento”, diz a diretora criativa da Swarovski Nathalie Colin.

Já Shourouk, que produz suas peças 99% em cristais Swarovski, aceitou o convite pela inovação que a marca austríaca faz ao longo de tantos anos, desde 1895, ano de sua criação.

A francesa, de voz suave, porém firme, de olhos doces, porém seguros, recebe uma jornalista de cada vez em uma grande sala na agradável casa da empresária Alessandra Campiglia no Morumbi em São Paulo.

O início de sua carreira não é muito diferente do que costumamos ouvir: estudo e muito trabalho. Ela começou estudando no Studio Berçot em Paris, fez trabalhos com maisons famosas como Chloé e Galiano em Paris e Roberto Cavalli em Florença na Itália.

Ela conta que depois de Cavalli, ao voltar para Paris, vai ao Studio Berçot buscar ajuda com sua mestre. Mostra que tinha uma coleção e que precisava de referências, de indicação para trabalho. Saiu de lá sem o que havia ido buscar. Saiu arrasada. A mestre havia dito que a coleção que ela tinha criado estava boa e que deveria criar uma marca própria ao invés de buscar trabalho. Será? Mas não era isso que ela queria ouvir. Conta ela que chorava quando um amigo a encontrou e perguntou o que acontecia. Esse amigo estava passando por um período de descontentamento com o próprio trabalho e lhe propos de empreenderem juntos. Foi neste momento que nasceu sua marca. Em 2008, aos 26 anos, em meio a um cenário de crise econômica mundial, Shourouk passa a criar suas peças. O sucesso foi imediato. Segundo ela, o colorido intenso e irreverente em meio ao momento de crise chamou a atenção. Se foi isso ou não, o fato é que Shourouk tem um estilo inconfundível e se mantém fiel a ele. Se reconhece a beleza, a opulência, o esplendor de uma obra assinada por Shourouk sem dificuldade.

Sobre as cópias de seu trabalho que existem pelo mundo, a designer cita Chanel: “Criei um estilo e ele desceu para a rua. Pertence a todo mundo, como dizia Chanel. Não posso controlar. Não tenho medo das cópias. Sou criativa e o que tenho de fazer é sempre vir com novidades”, diz Shourouk.

Pela primeira vez no Brasil, ela conta que o país é exatamente como imaginava que seria. Um país emergente, dinâmico, com pessoas alegres, com uma economia em crescimento, gente trabalhadora, com personalidade positiva, que sorri, uma energia feliz.

Confira aqui as peças da coleção!

Você também pode gostar de:

Author: Renata

Share This Post On

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>